top of page

25 ANOS DO CISM: A IMPORTÂNCIA DE UMA PLATAFORMA DE VIGILÂNCIA DEMOGRÁFICA



25 Anos do CISM: porque é que o êxito da investigação está completamente ligado ao Sistema de Vigilância de Demografia


 

[Este texto é da autoria de Arsénio Nhancolo , Responsável Interino do Centro de Dados do CISM, e Charfudin Sacoor, Responsável de Demografia do CISM. Faz parte de uma série de artigos em comemoração aos 25 anos do CISM].

 

Imagina que está doente e vai a uma unidade sanitária. Depois de fazer vários testes, você é diagnosticado com uma doença infecciosa muito contagiosa. Os médicos precisam entrar em contacto com urgência com as pessoas com quem você vive para descobrir se elas foram infectadas e fazer o acompanhamento. Na cidade de Maputo não é fácil obter esta informação. Porém, a cerca de 80 km de distância, numa zona rural da mesma província, concretamente no distrito da Manhiça, caso o mesmo aconteça, podemos utilizar uma base de dados para localizar a casa e as pessoas que vivem com o doente . Também registra os números de telefone de um responsável por cada residência para contatá-los para prevenção de doenças, se necessário.


Há 25 anos, quando quando se estabeleceu o Centro de Investigação em Saúde da Manhiça (CISM) para realizar a pesquisa biomédica numa zona rural do sul de Moçambique, era fundamental ter uma plataforma de vigilância demográfica que pudesse compensar as limitações que as fontes demográficas comuns, como os censos e sistemas de registro civil, existiam e continuam existindo em países menos desenvolvidos. A criação da plataforma foi fundamental para a realização de pesquisas biomédicas de ponta, principalmente em estudos que exigem acompanhamento regular dos participantes.

Há 25 anos, quando o CISM foi fundado, era crucial a existência de uma plataforma de vigilância demográfica que pudesse compensar as limitações que as fontes demográficas comuns tinham e continuam a ter nos países menos desenvolvidos.

Os recenseamentos gerais da população são feitos a cada 10 anos, e mesmo aqueles feitos a cada 5 anos têm também as suas lacunas, pois nunca nos dão os dados pessoais de um indivíduo. O que quer dizer que, não nos fornecem dados que nos permitam dizer que esta é Maria, tem 21 anos de idade, vive com o João na casa número 5, tem 2 bebés de 24 e 8 meses, e está no primeiro trimestre da sua terceira gravidez. Agregado ao facto de que, os dados que se requerem para pesquisa, necessitam ser actualizados com regularidade, porque as pessoas nascem, morrem, migram, no entanto, os dados dos recenseamentos gerais da população apenas estão disponíveis para o utente final, 2 anos após a realização do censo.

Ariel Nhacolo, Demografo do CISM, numa visita a um agregado familiar

Um Sistema de Vigilância Demográfica e de Saúde (SVD) é uma plataforma que serve para facilitar a pesquisa e avaliação de intervenções de saúde pública e oferece estimativas precisas de eventos demográficos vitais em um território bem definido e com uma população bem identificada. Esses sistemas têm sido uma ferramenta de pesquisa crucial para avaliar as intervenções de saúde, particularmente na África Subsaariana, onde muitos países não possuem dados demográficos completos e atualizados. Eles envolvem uma enumeração da população total de uma determinada área, onde todas as pessoas são registradas e recebem um número de identificação permanente.


Além disso, a relação de cada pessoa com o chefe da família, data de nascimento, sexo, nível de escolaridade, bem como outros dados demográficos e de saúde relevantes também são registrados. Esses dados demográficos e de saúde são necessários para o planejamento e avaliação de saúde distrital, regional e nacional e para a formulação de políticas nesses países, bem como para o planejamento de ensaios clínicos em grande escala .


Acreditamos que o sucesso da pesquisa do CISM está intrinsecamente ligado à vigilância realizada no município, que permite a coleta de dados demográficos e o acompanhamento dos participantes durante a execução dos estudos, aspectos essenciais para uma pesquisa de qualidade.

Acreditamos que o sucesso da investigação do CISM está intrinsecamente ligado à vigilância efectuada no distrito, que permite a recolha de dados demográficos e o acompanhamento dos participantes, aspectos essenciais para uma investigação de qualidade.

Para realizar um estudo, precisamos saber quantas pessoas há em uma determinada área geográfica, quem são essas pessoas e onde estão. É necessário também fornecer dados demográficos e indicadores que permitam medir o impacto das diferentes intervenções, localizar os participantes, observar as tendências demográficas da população e desenvolver mapas precisos da distribuição das doenças na área de estudo, entre outros.

O uso das novas tecnologias flexibiliza o trabalho de Demografia

Esta vigilância demográfica é complementada por uma vigilância da morbilidade hospitalar em que todos os casos que chegam às unidades de saúde são vinculados ao DNI demográfico, o que permite monitorizar o estado de saúde da população, com base no que chega às unidades de saúde. Esta ligação aumenta muito o potencial do nosso sistema de vigilância e do CISM em geral para conduzir estudos de alta qualidade que de outra forma não teríamos sido capazes de fazer.


Este foi desde o início o principal potencial do recenseamento básico realizado no distrito da Manhiça, que em 1996 foi realizado em áreas específicas (até 2013 foi coberta uma área de 500 km 2 ) e a partir de 2014 foi alargado ao distrito inteiro, atingindo 2.380 km 2 com 208.000 habitantes. Anos mais tarde, graças à experiência acumulada, este mesmo censo foi realizado em outras áreas próximas, como Magude (2015) na província de Maputo - no âmbito da iniciativa para a eliminação da malária (MALTEM) - e em Mopeia no. província da Zambézia (2017) - no âmbito do projeto BOHEMIA.


Além disso, em outubro deste ano iniciamos o censo no distrito de Quelimane na província da Zambézia (projeto CHAMPS), onde estamos identificando 350.000 habitantes. Além disso, o CISM apoiou o Instituto Nacional de Saúde de Moçambique na instalação de dois sistemas de vigilância demográfica e sanitária: um no distrito de Chikwe na província de Gaza e outro no Bairro Polana Canico na cidade de Maputo, além de ter apoiado o nascimento ou melhoria de vários outros centros de pesquisa na África Subsaariana, como África do Sul, Mali e Serra Leoa.


Mapa do distrito da Manhiça, mostrando a área de vigilância antiga (cor laranja claro) e a nova área (cor amarela); incluindo a distribuição espacial das casas.

Principais contribuições ao longo desses 25 anos


A implantação da plataforma de vigilância geográfica e demográfica representa um dos grandes trunfos do Centro nos últimos 25 anos. Praticamente todos os marcos marcantes da instituição estão relacionados à grande contribuição dessa plataforma.


Para citar alguns exemplos:

  • Ensaio clínico da fase 3 da vacina contra a malária : a qualidade do ensaio e o seguimento dos participantes foram possíveis graças à existência desta plataforma.

  • Publicado primeiro artigo sobre causas de morte em Moçambique: a informação demográfica da Manhiça permitiu a publicação deste artigo assinado pelo Dr. Jahit Sacarlal.

  • Publicações em jornais internacionais revisados ​​por pares sobre o progresso na Manhiça no que diz respeito aos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio das Nações Unidas (ODM): embora os dados de Manhiça não possam ser extrapolados para todo o país, fomos capazes de contrastar e publicar em revistas e relatórios aspectos como a diminuição da mortalidade infantil, monitorizando o alcance que a Manhiça teve nesta área no que diz respeito aos ODM.

  • Elevada taxa de aceitabilidade no que diz respeito ao Sistema de Vigilância: conseguimos envolver a população do distrito da Manhiça neste processo de “investigação”. Passados ​​25 anos, é visível o compromisso da comunidade com as atividades de estudo realizadas pelo CISM, uma vez que continuamos a ter um índice de aceitabilidade muito elevado.

  • Formação e educação: graças à nossa experiência na utilização de uma plataforma demográfica, temos contribuído para a formação de pessoas, nomeadamente estudantes da saúde pública, bem como com o apoio técnico de vários centros, dentro e fora do país.

  • O sistema de vigilância demográfica da Manhiça tornou-se uma referência internacional: até algumas iniciativas que já tinham anos de existência aprenderam com a nossa experiência.

  • Publicamos artigos que mostram que os sistemas de vigilância demográfica têm mais detalhes e são capazes de registrar tendências demográficas que fazem sentido nas áreas geográficas onde estão localizados, em comparação com outras fontes, como censos e pesquisas demográficas de saúde.


Equipa da Demografia do CISM em 2003.

O passar dos anos traz novas preocupações e desafios


Quando começamos em 1996, começamos respondendo às perguntas básicas, centradas na malária ; mas com o tempo fomos colocando, adaptando e incorporando novas questões para nos adaptarmos ao nosso ambiente. Por exemplo, recentemente, com o surgimento do COVID-19, tivemos que nos adaptar para podermos responder a dúvidas ou dinâmicas relacionadas a essa nova área da saúde. Há alguns anos, o Centro decidiu que devíamos apostar forte na área de doenças negligenciadas, principalmente na questão dos helmintos , por isso incorporamos esse aspecto ao nosso sistema de vigilância.

Quando começamos em 1996, começamos respondendo às perguntas básicas, centradas na malária; mas, com o tempo, colocamos, adaptamos e incorporamos novas questões para nos adaptarmos ao nosso ambiente.

À medida que evoluímos, fizemos novas perguntas a nós mesmos. Limitar-nos a calcular tendências de mortalidade, fertilidade e migração não é mais suficiente:

  • Porque é que os rapazes e raparigas do mesmo bairro não têm o mesmo nível de crescimento ou não sofrem o mesmo impacto no que se refere à transmissão da malária, sendo todos moçambicanos, residentes no mesmo bairro e com a mesma idade? Por que alguns têm malária e outros não?

  • Por que as pessoas migram? Por que uma pessoa sai de casa para migrar para a África do Sul?

Conseguimos quantificar as migrações, sabíamos que uma pessoa tinha saído daquela casa, que tinha ido para a África do Sul; Ajudámos assim a ter numeradores e denominadores precisos para todos os cálculos necessários à realização do estudo, mas, mesmo assim, não fomos capazes de responder porque é que as pessoas vêm à Manhiça e depois vão embora .


Para responder a essas perguntas, precisamos, em primeiro lugar, reestruturar o sistema de coleta de informações . Isso é mais complexo e requer suporte financeiro e recursos humanos para ser capaz de gerenciar as novas ferramentas.


Realizar pesquisas em um contexto rural não tem sido fácil . A baixa taxa de alfabetização é um desafio na implementação da vigilância e está associada a muitos outros desafios. Uma das mais importantes tem a ver com as preocupações imediatas vividas pelas populações nas zonas rurais de países como Moçambique.


Para eles, que não entendem o próprio conceito de uma pesquisa, é difícil entender por que você está lá se não vai abordar suas preocupações imediatas. Muitos deles nem precisam alimentar seus parentes no dia em que os visitamos em casa, ou não saíram para trabalhar no campo para responder às suas perguntas. Por outro lado, diz-lhes que está a trabalhar para eliminar a malária, mas no dia seguinte os mosquitos continuam a fazer guerra e as crianças continuam a ter malária; Pedimos que assinem um termo de consentimento livre e esclarecido, quando a assinatura cultural de documentos é um sinal de que problemas estão chegando. Outro conceito de difícil compreensão, por exemplo, é o de mortalidade neonatal, principalmente aquela que ocorre nas primeiras 24 horas. Para muitas mulheres moçambicanas, se aquele bebé não voltou para casa é porque nasceu morto e pouco se fala a respeito.


Realizar pesquisas em um contexto rural não tem sido fácil. É difícil entender por que você está ali se não vai atender às suas preocupações imediatas. Muitas pessoas nem precisam alimentar seus parentes no dia em que os visitamos em casa.
Inquiridor do CISM numa visita a um agregado familiar no distrito de Nhamatanda, província de Sofala


E o futuro?


Mais perguntas, mais tempo gasto e maiores expectativas da comunidade. É importante notar que não estamos a estudar apenas os problemas de saúde na Manhiça como tal, mas sim os problemas da população da África Subsariana, tomando a Manhiça como exemplo.


Atualmente, a vigilância de eventos demográficos inclui toda a população, mas a vigilância de morbidade é limitada a menores de 15 anos . Acreditamos que seja necessário refletir sobre a inclusão da morbidade em adultos.

É importante notar que não estamos a estudar apenas os problemas de saúde na Manhiça como tal, mas sim os problemas da população da África Subsariana, tomando a Manhiça como exemplo.

Até que ponto vamos permanecer neutros para cumprir estritamente o nosso mandato? Não deveríamos tentar criar estratégias de apoio à comunidade para resolver alguns dos problemas que sem dúvida afetam a saúde? É difícil simplesmente fazer perguntas se não oferecemos respostas para problemas específicos do dia-a-dia.


Consideramos justo considerar, com modéstia, que, ao longo destes 25 anos, a plataforma de vigilância demográfica tem sido a base para a promoção da investigação na Manhiça.


128 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page