25 ANOS DO CISM: A IMPORTÂNCIA DE UMA PLATAFORMA DE VIGILÂNCIA DEMOGRÁFICA



25 Anos do CISM: porque é que o êxito da investigação está completamente ligado ao Sistema de Vigilância de Demografia


 

[Este texto é da autoria de Arsénio Nhancolo , Responsável Interino do Centro de Dados do CISM, e Charfudin Sacoor, Responsável de Demografia do CISM. Faz parte de uma série de artigos em comemoração aos 25 anos do CISM].

 

Imagina que está doente e vai a uma unidade sanitária. Depois de fazer vários testes, você é diagnosticado com uma doença infecciosa muito contagiosa. Os médicos precisam entrar em contacto com urgência com as pessoas com quem você vive para descobrir se elas foram infectadas e fazer o acompanhamento. Na cidade de Maputo não é fácil obter esta informação. Porém, a cerca de 80 km de distância, numa zona rural da mesma província, concretamente no distrito da Manhiça, caso o mesmo aconteça, podemos utilizar uma base de dados para localizar a casa e as pessoas que vivem com o doente . Também registra os números de telefone de um responsável por cada residência para contatá-los para prevenção de doenças, se necessário.


Há 25 anos, quando quando se estabeleceu o Centro de Investigação em Saúde da Manhiça (CISM) para realizar a pesquisa biomédica numa zona rural do sul de Moçambique, era fundamental ter uma plataforma de vigilância demográfica que pudesse compensar as limitações que as fontes demográficas comuns, como os censos e sistemas de registro civil, existiam e continuam existindo em países menos desenvolvidos. A criação da plataforma foi fundamental para a realização de pesquisas biomédicas de ponta, principalmente em estudos que exigem acompanhamento regular dos participantes.

Há 25 anos, quando o CISM foi fundado, era crucial a existência de uma plataforma de vigilância demográfica que pudesse compensar as limitações que as fontes demográficas comuns tinham e continuam a ter nos países menos desenvolvidos.

Os recenseamentos gerais da população são feitos a cada 10 anos, e mesmo aqueles feitos a cada 5 anos têm também as suas lacunas, pois nunca nos dão os dados pessoais de um indivíduo. O que quer dizer que, não nos fornecem dados que nos permitam dizer que esta é Maria, tem 21 anos de idade, vive com o João na casa número 5, tem 2 bebés de 24 e 8 meses, e está no primeiro trimestre da sua terceira gravidez. Agregado ao facto de que, os dados que se requerem para pesquisa, necessitam ser actualizados com regularidade, porque as pessoas nascem, morrem, migram, no entanto, os dados dos recenseamentos gerais da população apenas estão disponíveis para o utente final, 2 anos após a realização do censo.

Ariel Nhacolo, Demografo do CISM, numa visita a um agregado familiar

Um Sistema de Vigilância Demográfica e de Saúde (SVD) é uma plataforma que serve para facilitar a pesquisa e avaliação de intervenções de saúde pública e oferece estimativas precisas de eventos demográficos vitais em um território bem definido e com uma população bem identificada. Esses sistemas têm sido uma ferramenta de pesquisa crucial para avaliar as intervenções de saúde, particularmente na África Subsaariana, onde muitos países não possuem dados demográficos completos e atualizados. Eles envolvem uma enumeração da população total de uma determinada área, onde todas as pessoas são registradas e recebem um número de identificação permanente.


Além disso, a relação de cada pessoa com o chefe da família, data de nascimento, sexo, nível de escolaridade, bem como outros dados demográficos e de saúde relevantes também são registrados. Esses dados demográficos e de saúde são necessários para o planejamento e avaliação de saúde distrital, regional e nacional e para a formulação de políticas nesses países, bem como para o planejamento de ensaios clínicos em grande escala .


Acreditamos que o sucesso da pesquisa do CISM está intrinsecamente ligado à vigilância realizada no município, que permite a coleta de dados demográficos e o acompanhamento dos participantes durante a execução dos estudos, aspectos essenciais para uma pesquisa de qualidade.

Acreditamos que o sucesso da investigação do CISM está intrinsecamente ligado à vigilância efectuada no distrito, que permite a recolha de dados demográficos e o acompanhamento dos participantes, aspectos essenciais para uma investigação de qualidade.

Para realizar um estudo, precisamos saber quantas pessoas há em uma determinada área geográfica, quem são essas pessoas e onde estão. É necessário também fornecer dados demográficos e indicadores que permitam medir o impacto das diferentes intervenções, localizar os participantes, observar as tendências demográficas da população e desenvolver mapas precisos da distribuição das doenças na área de estudo, entre outros.

O uso das novas tecnologias flexibiliza o trabalho de Demografia

Esta vigilância demográfica é complementada por uma vigilância da morbilidade hospitalar em que todos os casos que chegam às unidades de saúde são vinculados ao DNI demográfico, o que permite monitorizar o estado de saúde da população, com base no que chega às unidades de saúde. Esta ligação aumenta muito o potencial do nosso sistema de vigilância e do CISM em geral para conduzir estudos de alta qualidade que de outra forma não teríamos sido capazes de fazer.


Este foi desde o início o principal potencial do recenseamento básico realizado no distrito da Manhi