CISM E ISGLOBAL REÚNEM-SE NA MANHIÇA PARA O DESENHO DE UM PLANO DE ACÇÃO PARA OS PRÓXIMOS ANOS


O Centro de Investigação e Saúde de Manhiça (CISM) entidade gerida pela Fundação Manhiça (FM) e o Centro de Investigação em Saúde de Barcelona (CRESIB), agora Instituto de Saúde Global de Barcelona (ISGlobal) estabeleceram há mais de 25 anos, um modelo de cooperação baseado em 3 pilares, geração de conhecimento, a formação e a assistência sanitária. Esta relação, assenta-se no alinhamento dos planos perante as oportunidades e desafios, reforçando a complementaridade, a cooperação mútua em busca da excelência científica, e partilha de sinergias perante os recursos existentes.


De 28 a 30 de Março, a direcção de ambas instituições lideradas por Francisco Saúte (Director geral do CISM) e Antoni Plascència (Director Geral do ISGlobal), estiveram reunidas na sede do CISM, no distrito da Manhiça, província de Maputo. O Encontro, serviu de base para o desenvolvimento do Plano de Acção da Aliança FM e ISGlobal para os próximos 5 anos.


O encontro foi inaugurado pelo presidente da FM, Leonardo Simão, e pelo embaixador espanhol em Moçambique, Alberto Cerezo, que saludaram esta iniciativa e encorajaram que as direcções refletissem entorno a objectivos ambiciosos, a formas práticas para garantir a sustentabilidade do CISM, e a infraestruturas que permitam o Centro manter-se competitivo. Ao longo dos dois dias de trabalho, foram analisadas as fortalezas, oportunidades, fraquezas e ameaças da aliança, e identificadas acções conjuntas que visam o fortalecimento de ambas instituições e consequentemente desta aliança no âmbito científico, administrativo e financeiro.


Segundo o Director Geral do CISM, “o apoio dado ao CISM pelos governos de Moçambique e de Espanha, tem sido fundamental para consolidar uma relação estável que impulsiona o crescimento nas áreas de investigação e formação, em ambos os países. O nosso compromisso com a saúde global é firme e continuaremos a colaborar para gerar evidências científicas que possam salvar vidas."


Ainda de acordo com Saúte, “este encontro crucial, foi oportuno na medida em que houve mudanças a nível de ambas direcções, mas também, por ser uma oportunidade para refletirmos sobre os novos desafios de pesquisa e organizacionais que a pandemia da COVID-19 colocou encima da mesa”.


Por outro lado, o Director do ISGlobal, Antoni Plasència disse que “O CISM é um dos “projetos” mais emblemáticos da relação entre os governos de Espanha e Moçambique, e é igualmente um modelo consolidado de cooperação institucional, científica e técnica com contributos decisivos para a redução do impacto de alguns dos principais problemas de saúde na África Austral, pelo que agradecemos o compromisso dos dois governos para o impulso da pesquisa nos dois centros (CISM e ISGlobal)”.


O modelo de cooperação entre os dois centros de pesquisa beneficiou não só Moçambique e Espanha, mas também a saúde global a nível internacional dado que as suas pesquisas deram origem a avanços e realizações altamente significativos em várias áreas de investigação, incluindo o desenvolvimento clínico da vacina RTS,S contra a malária e a implementação de vacinas contra pneumonia e pneumococo em Moçambique. Outra conquista importante foi o desenvolvimento de novas estratégias de prevenção da malária durante a gravidez, que já foram padronizadas mundialmente conforme recomendações da Organização Mundial da Saúde.