top of page

“INSTAMOS OS GOVERNOS A IMPLEMENTAR A QUIMIOPREVENÇÃO PERENE DA MALÁRIA”



Nos últimos 20 anos, foi possível evitar mais de 10 milhões de mortes por malária, e mais de 1,5 bilhão de casos da doença foram evitados, em todo mundo. Entretanto, de acordo com o Relatório Mundial da Malária da Organização Mundial da Saúde (OMS -2021), dados recentes, mostram que desde 2017, o progresso global estagnou, e os casos de malária estão a aumentar principalmente na África Subsaariana.


Nesta região, as crianças com menos de 2 anos continuam a ser o grupo com maior risco de contrair malária e morte. Duas abordagens oferecem oportunidades para melhorar a prevenção da malária nesta faixa etária: quimioprevenção em áreas de transmissão moderada a alta (ou seja, tratamento preventivo intermitente da malária em bebés [IPTi], agora renomeado como Quimioprevenção Perene da Malária [PMC]) e a RTS,S, vacina contra a malária S/AS01.


O IPTi foi desenvolvido há mais de 20 anos e consiste em fornecer doses de um antimalárico (por exemplo, sulfadoxina-pirimetamina) a bebés, fazendo uso de contactos existentes de pacientes por meio dos Programas Alargados de Vacinação. Análises de vários ensaios na África Subsaariana mostraram que, o IPTi reduziu os casos de malária em 30%, as internações hospitalares em 23% e a anemia em 21% em bebés.


Embora o IPTi seja recomendado desde 2010, poucos países o adotaram, provavelmente devido à percepção de que o IPTi teve eficácia moderada, uma vez que os resultados de eficácia se referiram a toda a infância, e não apenas ao momento em que as crianças estavam sendo protegidas. Além disso, a rotulagem amplamente divulgada da sulfadoxina-pirimetamina como uma droga chamada de falha foi baseada na crença de que marcadores moleculares associados à eficácia reduzida no tratamento da malária clínica poderiam prever a falha do comprimido na prevenção de infecções.


Uma revisão recente mostra que a sulfadoxina-pirimetamina continua a superar todos os outros antimaláricos na prevenção das consequências da malária na gravidez, e continua a ser altamente eficaz em combinação para uso sazonal.


Como tal, foram estabelecidos novos mecanismos e ferramentas de prevenção da malária, porém, caros, em vez de integrar a entrega nos sistemas de saúde existentes. As unidades sanitárias por via dos centros de atendimento de consultas pré-natais e o Programa Alargado de Vacinação, têm acesso a um enorme número de pessoas vulneráveis ​​e, no entanto, são inadequadamente utilizados para fornecer as ferramentas recomendadas de controlo da malária. Em contraste com a quimioprevenção da malária sazonal, uma operação organizada e realizada pelo Ministério da Saúde através Programa Nacional de Controlo da Malária, atinge mais de 30 milhões de crianças anualmente, enquanto a quimioprevenção da malária na gravidez (IPTp) realizada pelos serviços de consultas pré-natais ou IPTi e organizada pelos programas alargados de vacinação, apresenta baixa cobertura.

Exemplo de uma combinação de antimaláricos (sulfadoxina-pirimetamina e Amodiaquina), utilizada numa campanha realizada em Nampula (SMC).

Em Junho de 2022, a OMS divulgou uma recomendação da política revisada sobre a PMC, refletindo a expansão do PAV para o segundo ano de vida. As novas recomendações de política permitem que os países se adaptem à heterogeneidade dos padrões da malária e a outros determinantes existentes. Uma adaptação menos prescritiva das intervenções é uma abordagem fundamental para o futuro do controlo da malária e na qual a integração no sistema de saúde deve ser uma característica essencial.


Em Outubro de 2021, a OMS recomendou a vacina contra a malária RTS,S/AS01 em crianças que vivem em áreas de transmissão moderada a alta, que se tornou mais uma ferramenta que requer integração em diferentes partes do sistema de saúde. Tanto o IPTi quanto a vacina RTS,S/AS01 são mais rentáveis ​​se entregues por meio do PAV e oferecem a possibilidade de combinação. No entanto, é necessário um programa robusto de vacinação de rotina para alcançar e sustentar reduções na mortalidade e na desigualdade.


Para ter sucesso, o papel fundamental do PAV deve ser reconhecido. É hora de superar os debates sobre as abordagens para o fortalecimento dos sistemas de saúde. O reconhecimento do PAV foi mais evidente no contexto da pandemia da COVID-19, em que foi necessária a priorização de investimentos e acções urgentes para reverter os efeitos negativos e as tendências pré-pandemia de estagnação da cobertura vacinal, aumento da incidência de malária, estagnação e diminuição das mortes por malária.


Finalmente, instamos os governos a implementar o PMC usando as evidências acima mencionadas e estudos de implementação em andamento. Não podemos perder mais uma década na prevenção da malária nos mais vulneráveis ​​à infecção.


Artigo da autoria de: Clara Menendez, Francisco Saúte, Brian Greenwood, David Schellenberg, Robert Snow, Pedro L. Alonso

224 visualizações0 comentário
bottom of page