“SE NÃO ACABARMOS COM AS DESIGUALDADES NÃO IREMOS ACABAR COM A SIDA”


A cada 01 de Dezembro o mundo é chamado a intervir, a assegurar que o problema da SIDA permaneça na agenda política e que os direitos humanos fundamentais sejam respeitados. O objectivo desta data é sensibilizar a população sobre os riscos de infecção por HIV/SIDA, apoiar aqueles que padecem desta doença e homenagear os que morreram infectados. Este ano, o lema escolhido para as celebrações do Dia Mundial do Combate ao HIV/SIDA foi "Acabar com as desigualdades, acabar com SIDA e acabar com as Pandemias".


Em um evento realizado a nível do Distrito da Manhiça, no dia 01 de Dezembro, a Administradora do Distrito, Cristina Xavier, apelou a população a continuar com o cumprimento das medidas de prevenção contra o HIV, de forma a reduzir a mortalidade pela doença no distrito, e alertou para a não substituição do tratamento com antirretroviral com o tratamento tradicional. O mesmo evento foi sucedido de uma feira de saúde e nutrição, na qual o CISM participou, onde registrou-se maior aderença a doação de sangue e aconselhamento sobre HIV/SIDA.

Administradora do Distrito de Manhiça, Cristina Xavier

“Se não acabarmos com as desigualdades não iremos acabar com a SIDA”. Estas foram as palavras do Médico-Investigador do CISM, da área de HIV/SIDA, Dr. Edson Bernardo, aquando da entrevista realizada pela equipe de comunicação sobre o dia 01 de Dezembro. Segundo Dr. Edson, o lema deste ano, “remete-nos ao facto de, se não acabarmos primeiramente com a desigualdades sociais, económicas e culturas, não iremos vencer o HIV, nem acabar com as pandemias”.


O Médico-Investigador do CISM disse que o Centro de Investigação em Saúde da Manhiça tem estado continuamente a produzir resultados e evidências, através da realização de estudos, para apoiar na tomada de decisão e elaboração de políticas públicas, ao mesmo tempo que contribui com recursos humanos, entre médicos e conselheiros, que têm sensibilizado a população para prevenção e adesão ao tratamento de HIV.


Para o responsável da área de HIV/SIDA a nível do distrito da Manhiça, Dr. Milton Meneses, "a data serve para reflectirmos em torno da problemática do HIV/SIDA, em um momento em que devemos nos unir e pensar em estratégias para diminuir a prevalência desta doença de modo a minimizar o impacto da mesma na vida de todos".


O responsável distrital da área do HIV/SIDA enalteceu o papel do CISM no combate ao SIDA, enfatizando que o Serviços Distrital de Saúde de Manhiça têm estado a trabalhar em parceria com CISM na realização de actividades na área de HIV, onde o Centro implementa os estudos a nível das unidades sanitárias.


Lembrar que a criação deste dia foi uma iniciativa de James Bunn e Thomas Netter, dois oficiais do Programa Mundial da Luta contra a SIDA da Organização Mundial de Saúde (OMS). A ideia ganhou apoiantes dentro e fora da OMS, sendo a sua implementação reconhecida através da Resolução 43/15 da Assembleia Geral da ONU, em 1988.

13 visualizações0 comentário