CISM IRÁ IMPLEMENTAR UM PROJECTO NOS DISTRITOS DE PANDA, INHARRIME, ZAVALA E GUIJÁ


O Centro de Investigação em Saúde de Manhiça (CISM), irá implementar um estudo Cross em Gaza e Inhambane (XGI) que visa avaliar a cobertura, aceitabilidade e efeitos da pulverização na prevalência da malária nas comunidades, em crianças dos 6 aos 15 anos de idade, nos locais de implementação do estudo. Em Gaza, o projecto será implementado no distrito de Guijá, enquanto que em Inhambane, será implementado nos distritos de Inharrime, Zavala e Panda.


Segundo explica o co-Investigador do estudo, “iremos seleccionar 6 postos sentinela (localidade, posto administrativo e/ou bairro), em cada distrito, de acordo com a prevalência da malária, onde serão recrutadas um total de 2.880 crianças na idade entre 6 meses e 15 anos de idade”, disse Pedro Aide, que para além de co-Investigador, irá liderar a componente epidemiológica, que consiste em estimar o impacto da PIDOM na prevalência da malária nos quatro distritos de implementação do estudo.


Ainda de acordo com Aide, o estudo conta também com uma componente entomológica a ser liderada por Mara Máquina, gestora de entomologia. “Esta componente, é necessária para a caracterização da população de vectores da malária e estado de susceptibilidade aos insecticidas nos quatro distritos, antes, durante e depois da pulverização. Neste sentido, a equipa de entomologia irá montar tendas armadilhas, WET, FLIT, prokopack e a captura de larvas para realizar a colheita de mosquitos (vectores), mas também, serão selecionados 12 agregados em cada distrito, onde serão colocadas as tendas armadilhas e selecionados homens maiores de 18 anos para permanecer na tenda durante a noite” acrescentou o Investigador.


Para anunciar o início das actividades do estudo, a equipa envolvida, deslocou-se aos distritos de Inharrime e Panda entre os dias 27 de setembro e 1 de Outubro 2021, e para Zavala e Guijá entre os dias 05 e 08 de Outubro com o propósito de realizar o reconhecimento dos distritos, mas concretamente dos pontos sentinelas/bairros onde decorrerá a recolha de dados. Durante as visitas de reconhecimento, a equipa composta pelos representantes da área de estudos de população, Helder Djive e Hélio Timana, realizaou actividades de envolvimento comunitário e apoiou na identificação e selecção de agregados e voluntários à fazerem parte do estudo.


Para o chefe de secretária da localidade de Dongane, no distrito de Inharrime “nem todos agregados familiares receberam as redes mosquiteiras, e mesmo as que receberam, algumas usam-nas para cobrir canteiros. Apesar de que a nível da nossa localidade fazemos um trabalho para conscientiza-los, temos recebido vários alertas dos chefes de quarteirão sobre a ocorrência desses factos, mas ainda persistem desafios, pelo que acreditamos que este projecto irá ajudar-nos a reforçar a nossa luta contra a malária, como também, a identificar os principais focos dos mosquitos”.


A malária continua sendo um problema de saúde pública no país, a título de exemplo, dados fornecidos pelo ponto focal da Malária no distrito de Inharrime, indicam que somente no último semestre de 2020, os dois postos administrativos do distrito registaram cerca de 39.287 casos de malária, dos quais, 85% (33.354) correspondem a Inharrime Sede, e os remanescentes (15%) provenientes do posto administrativo de Mocumbi.


O estudo cuja duração é de 1 ano, é financiado pela South African Medical Research Council, uma organização Sul Africana criada em 1969, e tem como PI o Dr. Francisco Saúte.

92 visualizações1 comentário