CISM E PARCEIROS IRÃO MEDIR OS NÍVEIS DE CONTACTO SOCIAL

Atualizado: 4 de jan.


Comportamentos fora do agregado familiar, especificamente a mobilidade entre as zonas rurais e urbanas, destacam-se como impulsionadores de transmissão de doenças contudo, os comportamentos de contacto social diferem entre países de alta e de baixa renda devido a diferenças nas instituições sociais, densidade populacional e estrutura familiar. Foi com base neste pressuposto que foi desenhado o projecto GLOBAL MIX (Perfil Abrangente de Padrões de Interação Social em Países e Baixa Renda) que pretende medir os níveis e âmbitos de ocorrência de contacto social.


O projecto GLOBAL MIX será implementado em duas fases sendo que, na primeira será realizada uma pesquisa formativa cujo principal objectivo, consistirá numa oscultação às partes interessadas e aos tomadores de decisão dos agregados familiares para identificar a melhor estratégia para implementação do estudo, assim como testar os instrumentos de recolha de dados (inquéritos e diários de contacto).


Na segunda fase do projecto será implementado o estudo principal e feito o levantamento de dados através de questionários sobre as características sociodemográficas dos participantes, preenchimento de 2 diários (de contacto pessoal e locais visitados) e uso de um sensor de proximidade em 63 agregados com crianças <5 anos. Esta fase, inclui um estudo observacional em que os participantes serão recrutados de forma aleatória para serem amplamente representativos da população local em termos de geografia e idade, e serão caracterizados de forma abrangente os padrões de interação social a nível comunitário, tanto para as populações rurais como urbanas sendo que a recolha de dados para cada local será de 10 meses para fornecer dados sobre a sazonalidade dos padrões de contacto social.


No total, pretende-se alcançar cerca de 1.260 diários padronizados de contacto social, dos quais 630 no meio rural e 630 no meio urbano, e serão divididas de acordo com faixas etárias predefinidas para o estudo. Também, prevê-se alcançar 63 agregados em cada meio (rural e urbano) e 290 indivíduos na Manhiça e 360 na Polana Caniço, através de sensores de proximidade.


Para além do nosso país, o projecto será implementado em Guatemala, Paquistão e na Índia em meios rurais e urbanos. Porém, o nosso país será o primeiro a realizar o estudo, e depois seguirão Guatemala, Paquistão e Índia de forma escalonada. De salientar que o projecto terá a duração de 5 anos e conta com o financiamento da Universidade de Yale, Universidade de Emory e do Instituto de Saúde Global de Barcelona (ISGlobal). Em Moçambique, será implementado pelo CISM em parceria com o Centro de Investigação em Saúde da Polana Caniço (CISPOC).


Neste estudo serão envolvidos líderes comunitários e religiosos pais e mães de bebés abaixo de 6 meses, idosos, professores e educadores das creches, adolescentes (10 a 14 anos de idade), e jovens (15 a 19 anos de idade, será levado a cabo no distrito da Manhiça (meio rural) e no Bairro de Polana Caniço (meio urbano).