COLABORADORES DO CISM TREINADOS EM GCP


O curso de curta duração visava fornecer aos formandos os princípios básicos de GCP e a aplicabilidade dos mesmos num cenário real

Para garantir a integridade e a validade dos dados de participantes nas suas pesquisas, o CISM tem ministrado aos seus colaboradores treinamentos em Boas Práticas Clínicas (GCP - Good Clinical Practice). A 17 de Março do corrente ano, 22 colaboradores do Centro foram formados em matérias de Boas Práticas Clínicas, incluindo, entre outros aspectos, Recrutamento e Retenção dos participantes para estudos e o Consentimento Informado.


As normas de Boas Práticas Clínicas, muitas vezes chamadas de GCP (abreviatura do inglês Good Clinical Practices) são um conjunto de orientações éticas e científicas para o desenho, condução, registos e divulgação de resultados de estudos clínicos com o objetivo estabelecer padrões que facilitam a aceitação de dados obtidos por meio de estudos clínicos pelas diferentes autoridades reguladoras do país.


Segundo Teresa Machai, Responsável pela Área de Formação no CISM, o curso de curta duração visava fornecer aos formandos os princípios básicos de GCP e a aplicabilidade dos mesmos num cenário real, de forma a assegurar que os direitos, a segurança e o bem-estar dos participantes de pesquisa sejam respeitados.


A Responsável pela Área de Formação espera que os investigadores e toda equipa envolvida na condução, supervisão e gestão de projectos de pesquisa compreendam a importância do cumprimento dos princípios e diretrizes de Boas Práticas Clínicas no contexto da pesquisa.


Para Teresa Machai, o maior desafio do CISM está na administração dos consentimentos, pois, "alguns projectos de pesquisa apenas têm Consentimento Informado, para maiores de 18 anos, entretanto, em situações que aparecem participantes com critérios de inclusão com idades entre 12 e 17 anos, necessitam de um Assento", disse Machai. "Alguns trabalhadores de campo por terem experiência apenas com o Consentimento Informado, têm dificuldades de administrar o Assento e saber a diferença entre os dois procedimentos", acrescentou.


Teresa chama atenção às equipas para que evitem concordar com procedimentos, que não estão documentados para que não entrem em choque com as directrizes e normas de GCP.


Participando pela primeira vez em um treinamento em GCP, Agostinho Neves, enfatiza a importância de capacitações deste gênero, pois, para ele, realizar pesquisas é um processo complexo que requer qualificações em questões legais e éticas, protocolos operacionais padrões e específicos, análise de dados e colaboração entre as unidades do Centro.


Neves integrou recentemente a equipe do programa CHAMPS, como Coordenador de Estudos na área de Ciências Sociais, em Quelimane, e disse haver muitos desafios para o CISM em relação ao recrutamento e retenção dos participantes para os estudos, e que a equipa de Ciências Sociais tem um papel fundamental na garantia à adesão dos participantes aos estudos.


A formação em GCP tem sido ministrada de forma contínua aos colaboradores do CISM e de outros Centros de pesquisa de países anglófonos e francófonos envolvidos em projectos de pesquisa.

24 visualizações0 comentário