MATUTUINE ACOLHE COMPONENTE ENTOMOLÓGIA DO PROJECTO REACT2 DEMOGRÁFICA


Armadilhas para mosquitos, montadas em quartos onde dormem participantes

Cerca de 80 famílias de 4 localidades selecionadas aleatoriamente no distrito de Matutuine (Bela Vista, Nsime, Ponta de Ouro e Catuane), acolhem a componente entomológica do Projecto de Vigilância Reactiva (REACT 2), que visa o fortalecimento do sistema de vigilância de malária em Moçambique. Espera-se com esta componente, determinar a composição e a densidade de anofelinos (mosquito transmissor da malária) e o seu comportamento de alimentação, como também, determinar a sua susceptibilidade aos insecticidas usados no controlo vectorial nos principais focos da malária no distrito de Matuituine.


Para o efeito, a área responsável por esta componente, utiliza vários métodos de colheita de mosquitos para esta vigilância que espera informar sobre novas estratégias de controlo de vectores da malária. Alguns dos métodos utilizados são armadilhas instaladas/aplicadas em residências (dentro e fora das casas) para capturar mosquitos (vectores da malária) que lá se encontram. Essas armadilhas, podem ser montadas em tendas onde um participante do estudo é convidado a pernoitar, como também, em janelas de quartos de alguns participantes. Para além disso, a equipa usa ainda pulverização com spray de piretroides e colheita de larvas.


Neste âmbito, o Investigador Principal da área de entomologia, Dr. Krijn Paaijmans que esteve no mesmo distrito no âmbito das actividades de supervisão da vigilância, pôde testemunhar a montagem dessas armadilhas em diversos locais no distrito. E no seu entender “é satisfatório quando as comunidades aceitam este tipo de intervenções que são invasivas, isto porque, os nossos técnicos têm acesso às suas casas para poderem montar estas armadilhas, mas mesmo assim, às comunidades por reconhecer a importância dos mesmos na luta contra a malária, deixam-nos trabalhar”.

Jacob Ingaja, um dos participantes do estudo que dorme numa tenda

O Sr. Jacob Ingaja, morador da Bela Vista Sede, no bairro “A” e um dos participantes do estudo acredita que “o estudo irá ajudar a saber se no distrito existem ou não mosquitos (vectores) que causam a malária”. Ainda segundo o Sr. Ingaja, “dormir na tenda não tem sido uma experiência fácil, devido a falta de conforto que as vezes me causam dor nas costas, como também, o facto de pernoitar longe da família. Apesar disso, conto com a minha família que compreende o valor da nossa participação neste projecto”, referiu o participante.


A Investigação Entomológica nos focos de transmissão da malária para orientar as intervenções de controlo de vectores estabelecida em Matutuine, iniciou em Maio de 2021 e prevê-se o seu término para Junho de 2022. Esta componente, pretende ainda apoiar a transição do Sistema de notificação agregada para individual e implementação programática da vigilância reactiva, realizar a avaliação do impacto, viabilidade e custo-efectividade da implementação programática de vigilância reactiva no país.


Este projecto, é financiado pela Fundação Bill e Melinda Gates (BMGF) e para além de Matutuíne o projecto é também implementado no distrito de Magude, e inclui uma componente de resposta através da administração focal reactiva de tratamento antimalárico, investigação e resposta a surtos em focos localizados de transmissão (epidemiológicos e entomológicos) nesses distritos.