DSCF8402.jpg

CLÍNICA
PLATAFORMA DE VIGILÂNCIA DE MORBILIDADE

O QUE FAZEMOS?

O Departamento de Clínica tem como objectivo principal garantir a máxima qualidade dos cuidados de saúde prestados aos pacientes e dos dados gerados no âmbito da vigilância de morbilidade, necessários para a implementação de projectos de pesquisas com componente clínica, servindo por outro lado, como interlocutor clínico entre o Centro de Investigação em Saúde da Manhiça (CISM) e outras instituições parceiras.

Dentro das suas competências: apoia Unidades de pesquisa que têm a componente clínica na implementação dos estudos; ii) presta os serviços de Saúde de qualidade à população que faz parte das áreas de Saúde abrangidas pelo CISM e; iii) reforça os Serviços Distritais de Saúde Mulher e Acção Social (SDSMAS) em recursos humanos, medicamentos e equipamento médico-cirúrgico, melhorando assim a assistência prestada à população.

Este Departamento que funciona 24 horas por dia é constituído por Médicos (especialistas e de clínica geral), Enfermeiros, Técnicos de medicina de várias categorias (medicina geral, medicina preventiva, etc), Auxiliares e Consentidores.

No contexto do COVID-19, o Departamento está a dar o seu apoio à assistência sanitária, no diagnóstico e manuseamento de pacientes bem como no seguimento dos casos positivos (em coordenação com a equipe do Sistema Nacional de Saúde, em algumas das áreas de saúde abrangidas pelo CISM).

Plataforma de morbilidade

A plataforma de morbilidade serve de base para a realização de vários estudos com componente clínica, seja para o recrutamento ou para o seguimento clínico dos participantes.

Actualmente com 25 anos desde o seu início, a plataforma de morbilidade continua a abranger a faixa etária pediátrica (menores de 15 anos de idade) e é actualmente implementada em 8 das 20 Unidades Sanitárias do distrito da Manhiça.

EQUIPA

IMG-20200707-WA0018.jpg

António Sitoe

Responsável da da Clínica

Médico de formação, é mestre em pesquisa clínica e saúde internacional, está no CISM desde 2014, e desde lá, tem participado em vários estudos incluindo estudos de base como vigilância de morbilidade que vem sendo implementados por mais de 20 anos. Posteriormente envolveu-se na vigilância de mortalidade em crianças até 5 anos de idade, que inclui o uso de um novo método de realização de autopsias minimamente invasivas, quem tem vindo a revelar com precisão as causas de morte nessa faixa etária.  Tem igualmente experiência de participação em vários ensaios clínicos de Malária, e outros estudos transversais nas áreas de pesquisa como HIV, saúde materno infantil e doenças respiratórias.

_DSC0238.JPG

PRINCIPAIS CONTRIBUIÇÕES

Área ainda em construção

EM
BREVE