PROJECTO EMPIRICAL PREVÊ EXPANSÃO PARA XAI-XAI

Atualizado: Jul 23


O projecto EMPIRICAL (acrônimo de: tratamento empírico contra citomegalovírus e tuberculose em pneumonia grave em bebés infectados pelo HIV: um ensaio clínico randomizado controlado), financiado pela EDCTP, prevê sua expansão para a cidade de Xai-Xai, província de Gaza, concretamente, para o Hospital provincial de Xai-Xai e para o Centro de Saúde de Patrice Lumumba

Directora Provincial de Saúde de Gaza, Dra. Mulassua Simão

. Segundo explica a Principal Investigadora, Justina Bramugy, médica do Centro de Investigação em Saúde de Manhiça (CISM), a razão de escolha do Centro de Saúde, é por este ter a capacidade de realização do Point of Care-PCR HIV (uma máquina que realiza teste de HIV em menores de 1 ano), avizinhar-se ao Hospital Provincial, onde estarão internadas as crianças, mas também, por considerar importante seguir a recomendação da Directora Provincial de Saúde de Gaza, Dra. Mulassua Simão.


Durante a visita ao site CISM, Lola Madrid, coordenadora de segurança do estudo, teve a oportunidade de junto com a equipa do estudo do CISM, reunir-se com a Directora Provincial de Saúde e equipa, para apresentar e discutir sobre o estudo, seus objectivos e actividades planificadas. Bramugy, avança que, “esta visita serviu também para conhecer o Centro de Saúde de Patrice Lumumba e o Hospital Provincial de Xai-Xai para aonde a expansão será feita, assim como para avaliar a implementação do ensaio clínico que decorre no Hospital Distrital de Manhiça (HDM)”.


O projecto EMPIRICAL, que teve o seu inicio em junho de 2020, cujo termino está previsto para 2025, é financiado pela European and Developing Countries Clinical Trial Partnership (EDCTP), e visa desenvolver um ensaio clínico para avaliar se o tratamento empírico contra citomegalovírus e tuberculose melhora a sobrevida de crianças infectadas pelo HIV com pneumonia grave. O mesmo, é implementado em seis países da África Subsaariana nomeadamente: Costa do Marfim, Uganda, Zâmbia, Zimbábue, Malawi e Moçambique.


No decurso deste estudo, os bebés infectados pelo HIV recebem tratamento padrão para pneumonia, incluindo antibióticos, cotrimoxazol e prednisolona, e são randomizados simultaneamente para receber ou não cada uma das duas intervenções (tratamento contra citomegalovírus ou tratamento contra tuberculose). O resultado esperado, é contribuir para a diminuição das taxas de mortalidade a curto e médio prazo em bebês infectados pelo HIV com tiragem torácica ou pneumonia grave, para tal, o estudo irá adoptar 4 tipos de tratamento (i) tratamento padrão, (ii) tratamento padrão/TARV + valganciclovir, (iii) tratamento padrão/TARV + tratamento de tuberculose, e (iv) tratamento padrão/TARV + tratamento de tuberculose + valganciclovir. O tratamento padrão inclui ceftriaxona + cotrimoxazol + prednisolona.


Salientar que, desde o início do estudo, foram recrutadas apenas 4 crianças, das 30 previstas. Bramugy comenta que, “este número pode ser justificado primeiro, pelo impacto da COVID-19, pois, nos primeiros 6 meses do estudo (Julho a Dezembro de 2020), haviam poucos casos de internamento no HDM, e por isso, só pudemos recrutar 3 participantes. Outro facto, é que apesar de não termos dados concretos, notamos uma redução dos índices de transmissão vertical na Manhiça, e isto pode estar a influenciar o alcance de novos participantes no estudo e isto colaborou para que a equipa expandisse o projecto para Xai-Xai”.


São parceiros deste estudo, SERMAS, Universidade de Bordeaux (UBx), INSERM, Fundação Penta Onlus, ISGloblal, Universidade de Lincoln (UoL), Consórcio entre a Universidade Eduardo Mondlane / Hospital Central de Maputo (UEM / HCM), Centro de Pesquisa Clínica da Universidade do Zimbábue (UZCHS-CTRC), entre outras instituições.

30 visualizações1 comentário